AAOA
AAOA

ASSOCIAÇÃO DE ATLETAS OLÍMPICOS DE ANGOLA
WebSite Oficial

Pelo Mundo

ANGOLA OLIMPISMO

85 REPRESENTANTES DE ASSOCIAÇÕES NACIONAIS DE ATLETAS OLÍMPICOS(NOA), 350 REPRESENTANTES ATLETAS DE 185 COMITÊS OLÍMPICOS NACIONAIS (NOCS), 50 FEDERAÇÕES INTERNACIONAIS (IFS), CINCO COMISSÕES DE ATLETAS CONTINENTAIS (ACS), OS ACS DE
mais...

Resultados de Angola dos Jogos Pan-Africanos 2019

03-09-2019

Em Rabat, Angola subiu ao pódio oito vezes. Destaque para as medalhas de ouro no andebol feminino e masculino, duas de prata e uma de bronze na canoagem, duas de bronze no judo, e outra na natação. Das 14 modalidades em que o país se fez representar, apenas quatro tiveram a audácia de medalhar, sendo uma coletiva e três individuais.
Imprevistos e dificuldades de ordem financeira marcaram a presença pela nona vez consecutiva na cimeira continental. Redução do orçamento, escolha das disciplinas, preparação, estágios, pagamento de taxas e consequentemente a prestação transformaram a missão num calcanhar de Aquiles.
O voleibol de praia masculino, medalha de ouro em Brazzaville, foi o primeiro a entrar em cena e terminou no quinto lugar.
A dupla feminina não competiu, por conta do posicionamento no “ranking”.
No judo, à semelhança de outras edições, Angola esteve no pódio. Diferente do ciclismo, onde no contra-relógio individual e por equipas, ficou na sexta posição. No xadrez, os mestres internacionais ficaram aquém do esperado. Tudo parecia caminhar bem, até surgir a derrocada: quarto lugar em femininos e oitavo dos masculinos. Na esgrima apenas um atleta desembarcou em Rabat, e foi eliminado no primeiro dia de competição. A ausência do parceiro impediu a disputa por equipas. Os karatecas também encerraram a participação na estreia. Na ginástica, a pretensão de conquistar medalhas, não passou da intenção. Em masculinos Angola falhou os lugares cimeiros. Em femininas lesões afastaram as atletas.
O boxe, bronze em 2015, baqueou nos quartas-de-final. O ténis de mesa e o basquetebol 3x3 também terminaram nos “quartos”. No atletismo, na final dos 1500 metros, Neide Dias ocupou o oitavo lugar. O fundista Venâncio Tchingombe não correu, por chegar tarde, ao passo que o barreirista, Edson Oliveira assumiu funções de treinador.
Cento e 30 pessoas integraram a operação “Rabat”, entre as quais, atletas, técnicos, oficiais e corpo clínico. Os 180 milhões de kwanzas, disponibilizados pelo Ministério da Juventude e Desportos, serviram, segundo Auxílio Jacob, para comprar bilhetes de passagem, pagamento do estágio pré-competitivo em Portugal, ajudas de custo, no valor de 400 euros, e outras despesas inerentes à missão.
Manuela Escolástica chefiou a equipa médica, integrada ainda por João Mulima, António Balaca, Carlos Nunes, Luís Kolokie, Nelma Paixão, Crispim Calongi, Marina Clister, Celestino Fula, Eugénia Marques e Edna Alegria.






























































































































Modalidades



Classificção



Medalhas



Notas



Basquetebol 3x3 masc



quartos-de-final



 



 



Boxe masc  2 atletas



quartos-de-final



 



 



Ténis de mesa masc



10º lugar



 



 



Andebol Sénior masc



1º lugar



1 ouro



 



Andebol Sénior fem



1º lugar



1 ouro



 



Natação -Lia Lima



3º lugar



1 bronze



2´21´´ 05  200m Mariposa



Volei de praia masc



5º lugar



 



E. Figueiredo/E. Sequeira



Ciclimo



6º lugar



 



 



Xadrez masc



8º lugar



 



 



Xadrez fem



4º lugar



 



 



Canoagem



2º lugar (2x) 3º lugar



2 prata e 1 bronze



 



Karate



Eliminado



 



 



Atletismo



8º lugar



 



Neide Dias  1500m



Ginástica



Eliminado



 



 



judo



3º lugar (2x)



2 bronze



 



Esgrima



Eliminado



 



 



 



 



 



 



 



 



 



 



Angola classificação geral



16º lugar



 



Anterior Brazzaville 2015  13º lugar


© 2012 AAOA. Todos os direitos são reservados.

política de privacidade | adicionar aos favoritos | recomendar site

Design e programação: ID-Angola